Camelos

``Eu quero me apossar do é da coisa`` Clarice L.

Wednesday, May 04, 2005

Blefe.

Nicola recorro-te!

Recorro-te porque a solidão sempre pede para que nos compreendam e isso é humilhar-se demais! Pedir! A humanidade está muito distante para pedir. Recorro-te porque tantas vezes me foste. Tantas vezes chorou por mim as lágrimas e sentiste antes as coisas que me passam agora. Quem sabe, posso dividir emoções. Emoções que não existem! Como pode ser emoções as emoções vazias? A maior doença da alma é não ter esperanças. "Inquieta áspera e desesperançada" lembra? Embora amor.................... O embora que vá para a puta que o pariu.

Disse à amiga que não queria mais a aridez. Disse que a vida era para ser vivida e para se rir, mas no final todo riso se torna um grande choro....... E eu estou seca de chorar. Sempre se esquece que as rosas não falam. Não se atrevem a falar.


Só lamentam já que a Tecnologia e a Revolução Industrial não cumpriram suas promessas de fazer o homem mais feliz. Alguem disse: o suicído é uma realidade. Sinto que os portões do inferno são dourados. Cervejados de Diamantes. Mas minha alma sempre preferiu morrer tentando a desistir.

E eu gritei. Mesmo sem sentido. Mesmo sem nenhuma razão. Com alguma intenção dessas que se quer rasgar dentro de si. Quando se dá a mágica, quando o contato entre duas almas é estabelecido, após o choro, após o grito, o medo, mesmo que persista o problema - a pessoa mudou.

Viste minhas loucas palavras?

Embora dito com toda a verdade que a loucura empresta às palavras, isso não é amor. Loucos e putas se afinam. Parte da ordem natural das coisas, quem sabe. Agora penso em Van Gohg decepando a orelha e enviando a um amigo por causa de uma prostituta. Os loucos, coitados não sabem blefar.

Que mundo é esse que nada é tão bonito? Que nada pode ser tão????????????????

Quero de novo a minha criança para poder dizer: Papai o que que eu faço? Vá brincar minha filha, ou então, vá estudar! E estária tudo bem.....

1 Comments:

  • At 04 May, 2005, Anonymous nicola said…

    Minha grande e linda incabível em parâmetros e caixnhas e fora desse casulo, Júlia,
    Essas palavras, esse sentido, fez com que minhas lágrimas que estavam guardadas em algum canto inespecífico (ou específico?) rolassem pelo rosto, sem que eu sofresse, ou sem que eu me lamentasse, mas sorrise com aquele leve movimentar dos lábios, aquele sorriso de exclamação e uma vontade de gritar "puta q o pariu", que afinidade louca, que coisa estranha querer resgatar (ou rememorar?, ou até mesmo inventar?) um passado que nunca houve?
    Simplesmente as rosas não falam, e as de plástico me comovem por querer ser uma alma que outrora vibrou, mas que articialmente não intensifica!
    será q não Vêem eles?
    E porq tudo tem de ser tão quase, e nunca total, e porque as paixões tem d ser tão passageiras, e porque os olhos tem de chorar tão secos,e porque o amor que -seria- o motivo da felicidade plena é o motivo da desgraça do mundo?
    A beleza é tão relativa, my honey..e eu agora suplico por um pote de Mel pra enfiar a cara e ficar.
    Afogar-me sonhando com os portões dourados que quiçá sejam cervejados de sonhos e diamantes.
    E van gogh...esse cara me inspira.
    Ele e frida.
    e eu finjo uma despedida.
    essas palavras nao querem acabar.
    mas acabam como um encontro que acontecerá mais tarde.
    e ponto.

     

Post a Comment

<< Home